Wilhelm Steinitz - Tabuleiro de Xadrez

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Wilhelm Steinitz

Wilhelm Steinitz
Wilhelm (mais tarde WilliamSteinitz foi o primeiro campeão do mundo de xadrez e ficou conhecido pelas suas contribuições para o desenvolvimento de estratégia no xadrez, tendo sido as suas teorias tidas em grande conta por vários jogadores de xadrez, como por exemplo Aaron NimzowitschSiegbert Tarrasch Emanuel Lasker.

Steinitz começou a se destacar na escola, sobretudo em matemática. Foi a Viena para cursar ali seus estudos de Engenharia, carreira que não terminou porque desde que chegou à cidade austríaca só se interessou pelo xadrez, começando sua carreira em Wiener Schachgesellscaft (escola de muitos mestres de xadrez). Pode-se dizer que nesta época era um jogador profissional já que cada partida que jogava era apostando-se uma quantia em dinheiro. Sua primeira aparição no mundo do xadrez foi no Torneio de Londres de 1862 onde terminou em 6° lugar, mas sua partida contra Mongredien recebeu o prêmio de partida mais brilhante. Depois do torneio firmou sua residência na capital inglesa já que naqueles tempos era considerada o centro do xadrez.

Steinitz tinha vontade de triunfar, embora seu forte e sombrio caráter às vezes lhe trouxesse problemas como o que ocorreu em uma partida contra o famoso banqueiro Epstein (muito poderoso naquela época), em um lance do jogo Epstein lhe disse muito aborrecido: “Jovem, tenha cuidado! Você não sabe com quem está falando?”, ao que o atrevido Wilhelm respondeu: “O sei perfeitamente, você é Epstein, mas no xadrez Epstein sou eu”. Isto naquela época era uma grave falta de respeito, mas assim era Steinitz que sempre era acompanhado do seu mal humor que lhe faria ter muitas inimizades. Em outra ocasião à pergunta de se ia ganhar em um forte torneio Steinitz respondeu: “De saída tenho grande vantagem, pois sou o único que não tem que enfrentar a Steinitz”.

Em 1874 começa a escrever na revista inglesa de xadrez “The Field” onde analisava partidas da época, aqui se pode dar a conhecer suas novas ideias sobre o xadrez que logo lhe fariam triunfar.

No começo Steinitz quis ser brilhante no seu jogo (era a tendência da época, onde os ídolos eram Morphy e Anderssen). Suas partidas foram tão notáveis que foi apontado como o Morphy Austríaco. Sua fama ia aumentando sem parar e sua vitória no match contra Anderssen em 1866 pelo que foi proclamado campeão do mundo (venceu por 8-6) contribui ainda mais para isso. Foi o primeiro campeão do Mundo oficial e este título se manteria até 1894 onde foi derrotado por Lasker.

Ninguém havia conseguido manter sua coroa durante tantos anos seguidos (28). Ganhou 7 matchs pelo Trono Mundial, o mencionado com Anderssen (8-6) em 1866, contra Zukertort (9-3) em 1872, contra Blackburne (7-0) em 1876, outra vez contra Zukertort (12/5 – 7/5) em 1886, contra Tchigorine (10/5 – 6/5) em 1889, contra Gunsberg (10/5 – 8/5) em 1890 e de novo com Tchigorine (12/5 – 10/5) em 1892.

O começo do Título de Campeão do Mundo não foi nada claro, muita gente não reconhecia Steinitz como campeão mundial, um deles era Zukertort (o jogador mais forte da época anterior a Steinitz) que depois de vencer no Torneio de Londres de 1883 se autoproclamou campeão do mundo já que nesse torneio estiveram os melhores jogadores da época (incluindo Steinitz). O austríaco não podia consentir isto, por isso lutou para que se disputasse um match para definir a quem corresponderia o cetro Mundial, este teve lugar em 1886 e Steinitz venceu com bastante claridade apesar de perder 4 das 5 primeiras partidas.

A opinião do mesmo Steinitz sobre seu longo reinado foi: “Ter conservado durante tanto tempo o título de campeão mundial, deve-se ao fato de que eu me achava 20 anos mais adiantado que meu tempo. Jogava de acordo com certos princípios desconhecidos a Zukertort e a meus demais antigos rivais. Minhas ideias não eram compreendidas. Por fim, os jogadores de hoje em dia como Lasker, Tarrasch, Pillsbury, Schlechter e outros, compreenderam meus princípios, o adaptaram e como é natural, melhoraram a obra iniciada por mim”.

É dito que a obra de Steinitz é o progresso maior do xadrez desde a época de Philidor, quer dizer, desde Philidor (século XVII) até começos do século XX.

Steinitz foi o fundador da escola moderna e sua maior realização foi criar a estratégia do meio jogo da partida. Depois de seu começo como jogador de ataque, Steinitz passou a ser um jogador menos arriscado, mais tático e sólido, mas com uma grande força no tabuleiro. E que, quando lhe apresentava a ocasião certa, fazia espetaculares combinações e deixava grandes partidas para a história.

Foi o primeiro jogador a dar importância às aberturas fechadas, onde não se pode fazer um jogo tão vistoso como o de Morphy (especialista em jogar aberturas abertas). Por isso seu jogo se tornou mais conservador, pois também lhe serviu para alcançar muitas vitórias e ser o dominador do xadrez durante 30 anos.

Está claro que o estilo de jogo de cada jogador é a prolongação de sua personalidade no tabuleiro, Steinitz era um homem de caráter muito sério e irritante, de fato criticou muito o jogo de Morphy (nunca mostrou simpatia por ele) coisa que não foi muito boa naquela época onde este era um ídolo. Nessa época o xadrez se resumia em ir à casa do rei contrário embora para isso tivesse que sacrificar até a última torre, Steinitz se deu conta de que construindo uma sólida posição e com pequenas vantagens se podia conseguir o mesmo fim: ganhar a partida. São dois pontos de vista opostos, eu pessoalmente prefiro a beleza dos sacrifícios onde os jogadores de verdadeira qualidade podem mostrar ao mundo seu talento.

Steinitz resumiu em seis pontos a maneira de levar uma partida no meio jogo:

1ª – Construção de uma posição sólida.
a) Uso quase exclusivo das aberturas fechadas
b) Ausência de sacrifícios e em geral jogadas de brilho que carecem de solidez
c) Economia de trocas de peças e peões
d) Predomínio dos ataques lentos ou de longa preparação

2ª – Acumulação de pequenas vantagens
Steinitz fez ver a vantagem do bispo sobre o cavalo que até esse momento se consideravam peças de igual potência.

3ª – Formação de pontos débeis no campo inimigo e utilização dos mesmos.
Pontos débeis: um peão dobrado ou isolado, peça isolada ou mal desenvolvida.

4ª – O ataque não se deve dirigir exclusivamente ao flanco onde está o rei.

5ª – Assegurar o triunfo final
Refere-se a ter uma forte preparação nos finais, coisa que naquela época não era muito habitual.

6ª – Estratégia expectante
Ou seja, a prática de suas teorias sobre o jogo posicional.

Estes postulados eram um decreto contra o xadrez de ataque e contra o espetáculo, eu pessoalmente não sou partidário desta forma de jogo porque dá como fruto, partidas chatas e muitos encontros que finalizam em empate. Mas deve-se reconhecer que com estas novas ideias Steinitz se converteu em um jogador imbatível durante muitos anos, já que sua superioridade posicional sobre o resto dos jogadores era demasiada grande. Assim mesmo estas ideias serviram de base para o estilo de jogo dos jogadores da geração posterior a Steinitz, como Lasker, Tarrasch... Que reconheceram que quem inovou foi o austríaco e eles se limitaram a aperfeiçoar seu estilo.

A contribuição de Steinitz ao xadrez foi ampla já que colaborou em periódicos e revistas de xadrez da Inglaterra e Estados Unidos, incluindo a publicação da revista “The international Chess Magazine” de 1885 a 1891. Também foi escritor de livros como: “The modern chess instructor” e “The sixth american chess congress”.

Em 1883 se transferiu aos Estados Unidos onde adquiriu a nacionalidade norteamericana em 23 de novembro de 1888, é dito que emigrou por sua disputa com o diretor da revista “The field”, embora outros digam que o fez por seu desejo de enfrentar-se com Paul Morphy, com ele manteve várias entrevistas em New Orleans. Mas Morphy não aceitou jogar com Steinitz já que havia se retirado do xadrez e o repudiava totalmente devido ao fato de que estava muito mal visto ser jogador de xadrez na dura sociedade da sua cidade natal.

Deve-se recordar que o jogador que terminou com o longo reinado de Steinitz foi Emanuel Lasker em 1894 e também que apesar de seu conhecido mau humor depois de perder o título se pôs em pé e gritou: “Três vivas pelo novo campeão”. Antes de tudo Wilhelm era um ganhador e um perdedor.

Fora da sua atividade no xadrez, Steinitz praticava sapateado. Numa carta a um amigo pouco tempo antes da sua morte, Steinitz expressou o seu arrependimento por nunca ter desafiado o campeão mundial de sapateado, que na altura era o espanhol naturalizado americano Eduardo Corrochio. O seu amor à dança é um indicador da sua personalidade, um homem de paixões e amante de arte, consumido pelo desejo de competir e vencer.

Diz-se que nos seus derradeiros dias, Wilhelm Steinitz endoideceu e afirmou que tinha jogado e vencido Deus num jogo de xadrez através de uma linha telefônica invisível. Emanuel Lasker, que arrebatou o campeonato a Steinitz disse numa ocasião, “Eu que derrotei Steinitz irei fazer justiça às suas teorias, e irei vingar os males que sofreu.” Steinitz faleceu pobremente, um fato evidenciado por Lasker, que estava determinado a não seguir pelo mesmo caminho de Steinitz.
2017 - Todos os direitos reservados
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal