Miguel Najdorf - Tabuleiro de Xadrez

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Miguel Najdorf

Miguel Najdorf
Miguel Najdorf, pseudônimo de Mieczslaw Mendel Najdorf nasceu na Polônia e antes de completar seu "Bar-Mitzvá" (13 anos), impressionava toda congregação da sinagoga de sua cidade pela memorização impressionante de trechos completos do Talmud ( livro sagrado dos judeus). Anos depois entre (1948 e 1950) visitando Recife, à convite do brilhante enxadrista Dr. Luís Tavares, cirurgião notável que alcançou o titulo de campeão brasileiro, esteve no Clube de Xadrez do Recife onde tive o prazer de conhecê-lo. Duma simplicidade e cavalheirismo impressionantes, jogou um por um com os presentes, espantados por tê-lo entre nós.

Após pediu um jornal local, passando a vista pausadamente, entregou-nos e fechando os olhos, repetiu os títulos de pagina por pagina sem erros. Possivelmente foi o enxadrista de maior poder de memorização.
 
A JUVENTUDE

Seguindo sua extraordinária vocação para o Xadrez, defendeu seu pais natal nas olimpíadas de 35,37 e 39 a última em Buenos Aires. A Europa incendiada pela barbárie nazista não permitiu que voltasse, sua esposa e filha foram exterminadas, apesar de poloneses eram de religião judia.

O PÓS GUERRA
Em 1947 no Brasil na cidade de São Paulo joga as cegas contra 45 tabuleiros durante 23 horas e meia. 39 vitórias 4 empates e 2 derrotas e após reproduziu, uma por uma todas as partidas.

Conforme declarou esperava que com esta extraordinária façanha, a noticia da mesma seria publicada em todos os jornais do mundo e soubesse o paradeiro de sua família.

Entretanto o silencio foi a resposta do terrível extermínio da mesma.

Quando na mencionada visita à Recife, tocou no assunto não havia mais nenhuma esperança em seu coração. Era uma extraordinária grandeza espiritual.

A NATURALIZAÇÃO ARGENTINA

Torna-se cidadão argentino e dedica-se aos negócios onde prosperou com uma empresa de seguros e transformou-se pelo resto da vida um patrocinador de torneios de xadrez, fugindo da miséria que ceifou outros brilhantes enxadristas, de religião judaica, foragidos da besta nazista. De 1950 a 1976, integrou as equipes Argentinas nos mundiais por equipes , onze ao todo jogando com o 1o tabuleiro em dez delas, foram 171, vencendo 66 empatando 88 e somente perdendo 18!

A VELHICE GLORIOSA

Aos 70 anos com elo de 2510 venceu o torneio "Clarim" de Buenos Aires frente a Spassky e Petrosian.

Aos 76 anos desafia o grande mestre e campeão Argentino Raimundo Garcia.

A variante Najdorf da Defesa Siciliana permanecerá na mente de todos enxadristas.

    1. e4 c 5
    2. Cf3 d6
    3. d4 cxd4
    4. Cxd4 a6

OS ÚLTIMOS ANOS

Torna-se o mecenas do xadrez Argentino dando bolsas substanciais aos torneios que patrocinou.
Um dos mais importantes foi o torneio em homenagem a variante Polugaievsky em Buenos Aires.

    1. e4 c 5
    2. Cf3 d6
    3. d4 cxd4
    4. Cxd4 Cf6
    5. Cc3 a6
    6. Bg5 e6

Criação do genial Lev Polugaievsky o grande mestre judeu russo, que faleceria poucos meses após.

A MORTE

Mendel Najdorf faleceu aos 87 anos em 4 de julho de 1997 em Málaga na Espanha.
2017 - Todos os direitos reservados
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal