Alexander Alekhine e Emanuel Lasker se comentam - Tabuleiro de Xadrez

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Alexander Alekhine e Emanuel Lasker se comentam

Duas figuras lendárias do xadrez mundial: o alemão
Emanuel Lasker e o russo Alexander Alekhine. Lasker foi campeão mundial de xadrez de 1894 a 1921. Alekhine foi campeão mundial de 1927 a 1935 e, novamente, de 1937 a 1946. Lasker pertenceu à geração anterior a Alekhine. A diferença de idade entre eles chegava a quase um quarto de século.

Lasker entusiasmava-se com o jogo dinâmico do jovem rival, e foi um dos primeiros assinalar suas extraordinárias qualidades. Em algumas ocasiões, Alekhine também manifestou a admiração por Lasker, chegando a reconhecer que havia aprendido muito com os livros do grande mestre da Alemanha.
Os dois chegaram a se enfrentar algumas vezes e, no final, o escore foi favorável ao grande Lasker (3 vitórias, 4 empates, 1 derrota).

O tema deste artigo é simples: selecionamos duas partidas. A primeira, jogada por Alekhine, foi comentada por Lasker. A segunda, jogada por Lasker, foi profundamente analisada por Alekhine.

A primeira partida, Alekhine vs. Frank Marshall, foi jogada no torneio de Baden-Baden (Alemanha) em 1925, e foi vencido de forma brilhante por Alekhine, que triunfou invicto, com 16 pontos sobre 20. Em segundo lugar, o célebre GM polonês Akita Rubinstein. Em terceiro, o GM alemão Friedrich Sämisch. Nas colocações abaixo ficaram
Bogoljubow, Tartakower, Marshall, Rabinovich, Grünfeld, Aaron Nimzowitsch, C. Torre, Richard Réti, Treybal, Spielmann, e ainda GMs de porte como Yates, Tarrasch, Colle, Mieses e Thomas.

O ano de 1925 foi bom para Alekhine, que também venceu em Paris (na frente de Tartakower, Znosko-Borovsky e Colle) e Hastings (na frente de Vidmar, Yates e Janowsky).

Frank Marshall era o mais destacado jogador norte-americano. Embora sua melhor época tivesse sido as duas primeiras décadas do século XX (quando conseguiu ganhar torneios na frente de Em. Lasker e José Raúl Capablanca), em 1925 ele ainda podia ser considerado um dos dez melhores do mundo. Meses antes, em Nova York 1924 (torneio em dois turnos, vencido por Lasker), Marshall chegou em 4lugar, conseguindo empatar com Capablanca (=2), Alekhine (=2) e derrotar Réti (+1=1). Em 1925, obteve bons resultados em supertorneios: 3em Marienbad (invicto, derrotou o ganhador do torneio, Nimzowitsch), 4em Moscou (na frente de Tartakower, Réti, Spielmann e Rubinstein). No torneio de Marienbad 1925, Marshall obteve a 5colocação, na frente feras da época como Grünfeld, Nimzowitsch, Réti e Spielmann. Marshall era um jogador muito agressivo, amante de sacrifícios e ataques agudos. No jogo a seguir, ele deve ter se sentido muito desconfortável quando Alekhine é que assumiu a posição de atacante agressivo.

Repare numa coisa muito interessante: na partida abaixo, os comentários foram feitos por Lasker e também por Alekhine. Vale a pena comparar os dois pontos de vista:

Alekhine,A - Marshall,F

Baden-Baden 1925

1.d4 d5 2.c4 Cf6 [Esse lance estranho caracteriza a defesa Marshall, que nunca foi adotada por nenhum grande mestre em partida séria, a não ser o próprio Marshall, é claro. N.T.] 3.cxd5 Cxd5 4.e4 [Mais tarde, Alekhine preferiu 4.Cf3 Bg4 5.e4 Cf6 6.Cc3 e6 7.Be2, Alekhine-Aranceguy, Mexico 1929.] 4...Cf6 5.Bd3 ["Também depois 5.Cc3 e5! as pretas obteriam jogo igual." (Alekhine). "Se 5.Cc3 as pretas responderiam com 5...e5! 6.dxe5 Dxd1+ 7.Rxd1 Cg4 8.Ch3 e o jogo estaria equilibrado. (Lasker)] 5...e5 [Essa é a ideia básica da defesa Marshall] 6.dxe5 Cg4 7.Cf3 Cc6 8.Bg5! ["As brancas têm consciência de que não obteriam nenhuma vantagem se tentassem manter o peão extra." (Alekhine) 8.Bf4? Cb4! 9.Da4+ (9.Be2 Dxd1+ 10.Bxd1 Cd3+ ganhando) 9...Dd7? (9...Bd7
daria vantagem às pretas) 10.Dxd7+? (10.Bb5) 10...Bxd7 11.Re2 Cxd3 12.Rxd3 Cxf2+ ganhando. Trompowsky-Grau,R, Montevideo 1925.] 8...Be7 9.Bxe7 Dxe7 10.Cc3 Ccxe5 11.Cxe5 Dxe5 ["As pretas superestimam sua posição. Deveriam evitar a exposição de sua dama aos ataques das peças inimigas e obter um jogo mais ou menos equilibrado a partir de 11...Cxe5" (Alekhine)] 12.h3 [12.Be2 c6 13.f4 Cd7 14.Dd4 0-0 15.0-0-0 Grünfeld-Becker, Breslau 1925.] 12...Cf6 13.Dd2 ["É surpreeendente o modo como esse simples movimento de dama - que reforça o domínio branco das casas escuras - amplia as chances no meio-jogo." (Alekhine)] 13...Bd7 14.De3
["Controlando d4 e c5 e evitando o roque largo das pretas." (Alekhine)] 14...Bc6 15.0–0–0 0–0 ["As brancas rechaçaram o ataque precipitado das pretas e agora, ao rocar grande, permitem que o adversário tenha um alvo. Porém também é verdade que as brancas preparam um enérgico ataque no flanco oposto. Na medida em que o ataque à casa h7 pode ser quase imediato, parece que a demonstração branca está mais adiantada do que a rival. Em todo caso, Alekhine permanece com a iniciativa." (Lasker)] 16.f4 De6 ["As peças pretas começam a deslizar morro abaixo. 16...Da5 teria sido mais natural e preferível." (Lasker) 17.Bc4 (Alekhine)] 17.e5 Tfe8 [17...Cd5 18.Cxd5 Bxd5 19.Bxh7+ Rh8 (19...Rxh7 20.Dd3+ Rg8 21.Dxd5±) 20.Bf5± (Lasker)] 18.The1 Tad8? ["O correto teria sido 18...Cd7." (Alekhine). "Este era o momento oportuno para jogar 18...Cd7. Mas as pretas não se sentem bem realizando manobras defensivas. Acontece que elas são forçadas a agir assim porque as brancas têm melhor desenvolvimento e dois peões para prosseguir o ataque, ao passo que as peças pretas no flanco de dama são, no momento, simples espectadoras." (Lasker)] 19.f5 De7 20.Dg5 Cd5 21.f6 Df8 22.Bc4! ["Excelente! O Cd5 preto atrapalha o ataque duplo contra a Td8 preta, montado pela Td1 e, indiretamente, pela Dg5 das brancas." (Lasker)] 22...Cxc3 [22...h6 23.fxg7! hxg5 24.gxf8=D+ Rxf8 25.Bxd5 Bxd5 26.Txd5 ganhando; 22...Cb4 23.Txd8 Txd8 24.fxg7 De8 25.e6 Cd3+ 26.Rb1! Cxe1 27.exf7+ ganhando] 23.Txd8 Txd8 24.fxg7 Cxa2+ [24...De8 25.Bxf7+! Dxf7 26.Dxd8+ Rxg7 27.bxc3+-] 25.Rb1! [As brancas teriam perdido as maiores oportunidades de ganho depois de 25.Bxa2 Dc5+ 26.Rb1 Td7.] 25...De8 26.e6 Be4+ 27.Ra1 [27.Txe4 Td1+ 28.Rc2 vence] 27...f5 28.e7+ Td5 29.Df6 Df7 30.e8=D+ e as pretas abandonaram. 1–0

A segunda partida, Lasker-Bogoljubow, foi jogada em Nova York 1924. Neste grande torneio, jogado em dois turnos, Lasker alcançou seus êxitos mais fulgurantes. Chegou em primeiro lugar com 1,5 ponto na frente de Capablanca e 4,0 pontos na frente de Alekhine (que três anos depois conquistaria o título mundial!). Para um homem que já estava na sexta década da vida, um feito ainda hoje inigualado.

O russo Bogoljubow chegou a ser, nos anos 1920s, o quarto ou quinto melhor jogador do planeta. Sua coleção de sucessos em torneios não merecia ser esquecida. Depois de um belo 2lugar ao lado de Alekhine em Margate 1923 , Bogoljubow venceu uma sucessão inacreditável de supertorneios: Karslbad 1923 (ao lado de Alekhine e Maroczy), Breslau 1925 (na frente Nimzowitsch, Rubinstein, Réti), Berlim 1926 (na frente Rubinstein, Grünfeld, Spielmann), Bad Kissigen 1928 (invicto, na frente de Capablanca, Max Euwe, Rubinstein, Réti, Tartakower, Marshall), Berlim 1928 (na frente de Sämisch e Grünfeld). Seu maior triunfo, porém, foi a vitória em Moscou 1925, à frente de Em. Lasker, Capablanca, Marshall, Réti, Grünfeld, Rubinstein e vários outros grandes mestres. Portanto, Bogoljubow estava no apogeu de sua carreira quando enfrentou Lasker.

Vejamos a partida comentada por Alekhine, à qual acrescentamos algumas notas referentes às linhas de abertura recentes:

Lasker,E - Bogoljubow,E [B40]

New York, 1924

1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Bd3 Cc6 6.Cxc6 bxc6 [6...dxc6 7.0–0 e5 8.Bg5 h6 9.Bh4 Bc5 10.Cd2 De7 Karatorossian,D-Psakhis,L, Open, Ubeda ESP 2001] 7.0–0 Be7? [O lance correto era 7...d5. Na verdade, as pretas só deveriam ter jogado ...Be7 depois que as brancas tivessem jogado De2. (Alekhine) ; 7...d5 8.Cd2 a5 9.c4 Be7 10.cxd5 cxd5 11.Bb5+ Bd7 12.Bxd7+ Dxd7 13.e5 Cg8 14.Dg4 g6 15.Cf3 Rf8 16.Bd2 h5 17.Df4 Ch6 18.h3 Cf5 19.Tac1 Rg7 ½–½ Vooremaa,A-Petrosian,T, Tallinn 1979; 7...d6 8.b3 Be7 9.Bb2 e5 10.Cd2 0–0 11.Cc4 Be6 12.De2 Cd7 13.Tad1 Te8 14.Dd2 Cc5 15.Tfe1 f6 Diez del Corral,J-Kortschnoj,V/Palma de Mallorca 1968] 8.e5! [Agora as pretas ficarão com um peão atrasado em d7 e, pior ainda, enfraquecidas nas casas escuras.] 8...Cd5 9.Dg4 g6 10.Cd2 f5 [Embora esse lance praticamente elimine os perigos futuros sobre o rei preto, a verdade é que as pretas continuam tendo problema com seu peão d7. Na verdade, Bogoljubow tinha em mente uma ameaça tática.] 11.Df3 Cb4 [A ideia é conseguir a vantagem do par de bispos ou então ganhar um peão para mascarar a debilidade em d7-d6.] 12.Cc4 Ba6 [Com a dupla ameaça de ...Bxc4 ou de ...Cxc2.]
13.Bd2! [Lasker poderia ter segurado tudo com 13.De2 mas ele escolhe uma continuação muito mais enérgica. Trata-se de um sacrifício de peão com ideia explorar a fraqueza da posição das pretas por meio da rápida mobilização das peças e também da expulsação do cavalo preto. (Khalifman fornece a seguinte variante: 13...0–0 14.Bh6 Tf7 15.Tfc1 Cxd3 16.cxd3 Tb8 17.b3 com ligeira superioridade branca.)] 13...Cxc2 [As pretas aceitam o sacrifício acreditando que poderão devolver o peão e melhorar suas situação. É muito interessante como Lasker refuta essa ideia.] 14.Tad1! 0–0 15.Cd6! [Agora a profunda ideia do sacrifício finalmente se torna clara: as brancas querem explorar a precária colocação do cavalo preto para obter vantagem decisiva.] 15...Cd4 [As pretas poderão proteger seu peão atrasado em d7 bloqueando a coluna 'd'.] 16.De3 Bxd3 17.Dxd3 Bxd6 [Praticamente todos os movimentos das pretas foram forçados. Obviamente elas não poderiam ter jogado 17...c5 18.Bh6 Bxd6 19.exd6 Tf7 20.b4 porque as brancas recuperariam o peão com uma magnífica posição.] 18.exd6 e5 [18...c5 19.b4 Cc6 20.bxc5] 19.Tfe1 Df6 20.Bc3 [Agora nós podemos ver o resultado de um ataque executado de maneira impecável e por meios quase inperceptíveis. As pretas não têm como se defender das ameaças de f2-f4 ou Dc4+ e nem mesmo se devolverem material conseguirão melhorar sua posição.] 20...Tae8 [20...Dxd6 21.Dc4+ Dd5 (21...De6 22.Txd4 ganhando; 21...Tf7 22.Bxd4 exd4 23.Txd4 com jogo superior22.Dxd5+ cxd5 23.Txe5 d6 (23...Cc6 24.Texd5) 24.Txd5 Ce2+ 25.Rf1 Cxc3 26.bxc3 Tfc8 27.T1d3 com vantagem branca.] 21.f4! Dh4 [21...Df7 22.Txe5 Ce6 (22...Txe5? 23.Dxd4+-) 23.Tde1±] 22.Dc4+ Ce6 23.Bxe5 Rf7?! [Esse movimento não faz muito sentido. Certamente teria sido preferível 23...Dd8 ] 24.Te3!
[Ameaça 25.Th3] 24...Dd8 25.Tb3 Da5? [A invasão da torre branca na coluna 'b' deveria ter sido sido impedida de todas as maneiras. Por isso, 25...Da8 teria aumentado a resistência preta.] 26.Tb7 Dc5+ 27.Td4! [Essa sutileza deve ter sido omitida quando as pretas executaram seu 25o. lance. Bogoljubow só tinha levado em conta a troca imediata de damas, que teria dado a ele algumas chances de empate.] 27...Td8 28.b4 Dxc4 29.Txc4 g5 30.Txa7 Cxf4? [As pretas deveriam ter salvado seu peão 'c' com 30...Rg6 Agora os dois peões passados unidos das brancas proporcionam vantagem decisiva.] 31.Bxf4 gxf4 32.Txc6 Tg8 [Essa manobra de torre não leva a lugar algum. De qualquer maneira tanto faz, as pretas estão perdidas mesmo.] 33.Rf2 Tg6 34.b5 Re6 35.Tc2 Tgg8 36.Rf3?! [Prolonga desnecessariamente a luta. Mais simples teria sido 36.a4 Ta8 37.Te2+ (37.Txa8 Txa8 38.Ta2) 37...Rxd6 38.Td2+ Re5 39.Tdxd7+-] 36...Ta8 [36...Rxd6 37.Ta6+ Re5 38.Te2+ Rd5 39.Td2+ Rc5
(39...Re5?? 40.Tad6 e o mate é inevitável.40.a4 com superioridade decisiva. - Khalifman.] 37.Te2+ Rxd6 38.Td2+ Rc5 39.Tdxd7 Rxb5 40.Txa8 Txa8 41.Txh7 Ta3+! [Uma pequena finesse. Depois de 41...Txa2 42.Tg7 (42.Tf7 Rc4 43.Txf5) 42...Ta1 (42...Ta4 43.Tg5) 43.Tg5+- as pretas teriam que abandonar. Agora, elas podem manter seu peão 'f' por algum tempo.] 42.Rxf4 Txa2 43.Tg7 Tf2+ 44.Re5 f4 45.Re4! Rc5 [O avanço 45...f3 seria contido por 46.gxf3 Txh2 47.Tc7+-] 46.h4 Rd6 47.h5 Tf1 [47...f3 48.g4! Tf1 49.Re3 ganhando.]
48.Tg4 Th1 [As pretas deveriam ter jogado 48...f3!? 49.gxf3 (49.Tg6+ Re7 50.gxf3 Rf7) 49...Re6 embora, claro, estivessem perdidas.] 49.Tg5 Th4 50.Rf5 Re7 51.Rg6 Rf8 52.Ta5 Th2 [52...Tg4+ 53.Rf6 Re8
(53...Rg8 54.Tg5+ Txg5 55.Rxg5) 54.h6 Txg2 (54...Th4 55.Ta8+ Rd7 56.h7; 54...f3 55.gxf3 Tg3 56.h7 Txf3+ 57.Rg5 Th3 58.h8D+ Txh8 59.Ta8+) 55.h7 Th2 56.Ta8+ Rd7 57.h8D Txh8 58.Txh8 Rd6 59.Th4 f3 60.Tf4+-]
53.Ta2 f3 54.Ta8+ Re7 55.gxf3+- Tg2+ 56.Rf5 Th2 57.Ta7+ Re8 [57...Rd6 58.h6 Th3 (58...Txh6? 59.Ta6+) 59.h7 Th2 (59...Txf3+ 60.Rg6 Tg3+ 61.Rf7 Th3 62.Rg8 Tg3+ 63.Tg7) 60.Rf6 Th4 61.Rg7] 58.Rg6 Tg2+ 59.Rf6 Tf2 [59...Th2 60.Ta5 Th3 (60...Tf2 61.Ta8+ Rd7 62.h6 Txf3+ 63.Rg5 Tg3+ 64.Rh4 Tg1 65.h7 Th1+ 66.Rg3) 61.f4 Th1 62.Rg7 Tb1 63.h6 Tg1+ 64.Tg5] 60.Ta8+ Rd7 61.Ta3 e as pretas abandonaram. Não haveria mais o que fazer depois de 61...Th2 62.Rg6 Tg2+ 63.Rf7 Th2 64.Td3+ Rc6 65.Rg6 Tg2+ 66.Rh7 Tg3 67.h6 Rc5 68.Rh8 Th4 69.h7 Tg3 70.Td8 Txf3 71.Rg7 Tg3+ 72.Rf6 Tf3+ 73.Rg5 Tg3+ 74.Rh4 1–0
2017 - Todos os direitos reservados
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal